segunda-feira, 23 de abril de 2018

Papa Francisco lançou um novo Renascimento — no sentido Borgia da palavra mas sem arte


Pope Francis, Cardinal Maradiaga, sex abuse, James Martin, SJ, homosexuality,
 Vatican bank, L'Espresso, Catholic News Agency, National Catholic Register,

[ Tradução automática.

Original em: https://stream.org/pope-francis-renaissance-borgia/ ]


John Zmirak, The Stream, 7 de Março de 2018

Os gurus da administração nos dizem: «O pessoal é política». As mães do sul dizem isso de forma diferente. «Você pode contar tudo sobre alguém de seus amigos.» Os historiadores vão olhar para os homens que o Papa Francisco promoveu. Eles vão tirar conclusões interessantes.

Conheça um dos ajudantes mais próximos do papa. Cardeal Oscar Maradiaga. Ele enfrenta acusações terríveis de corrupção financeira. Eles continuam piorando. O deputado escolhido por Maradiaga é acusado de abuso sexual.

Maradiaga parece ter mais em comum com os políticos marxistas do que pensávamos. Nos sistemas socialistas da Venezuela à Rússia soviética, os oligarcas podem soar como ascetas. Mas na verdade eles vivem como czares. O único lubrificante que pode tornar um sistema tão desumano e pseudo-racional quanto o socialismo funciona é a corrupção.

Vamos nos aprofundar nas últimas novidades sobre o «cardeal vermelho». Mas primeiro vamos rever alguns outros homens que Francis impulsionou. (Certifique-se de clicar nos links para mais.)

Cardeais e assessores renascentistas
do Papa Francisco
  • Cardeal Godfried Danneels da Bélgica. O Papa João Paulo II criticou publicamente. O motivo? Por permitir o completo colapso da fé em seu país. Danneels acenou com a legalização do aborto. E casamento do mesmo sexo. Ele se aposentou em desgraça. Danneels tinha intimidado em silêncio um jovem abusado por um bispo. (O assédio moral apareceu em fita cassete). O encobrimento levou a polícia belga a abrir o caixão de um bispo morto. Por quê? Para ver se Daneels tinha documentos escondidos lá. O papa Francis arrancou Danneels da obscuridadeEle pediu que ele falasse sobre o Sínodo da Família em 2014. (Feira é justo. Danneels tinha empurrado Francis para o papa em 2005.)
  • Dom Marcel Sorondo. Em 2015, ele se gabou das declarações do Papa Francisco sobre a mudança climática. Ele alegou que eles têm o mesmo peso que a posição de 2000 anos da Igreja sobre o aborto. Ele recentemente elogiou a China Vermelha, que destruiu as igrejas. Como melhor exemplo de «ensino social católico» do que os EUA, Sorondo serve ao papa Francisco como o mais alto porta-voz da Igreja, tanto nas ciências naturais quanto nas sociais.
  • Pe. Antonio Spadaro. Ele edita a quase oficial revista do Vaticano La Civilta Cattolica . Em 2016, ele denunciou os católicos pró-vida e seus aliados protestantes. Como? Como defensores da «teocracia». Ele também manchou a direita cristã. Ele alegou que se opõe aos direitos civis das minorias.
  • Arcebispo Víctor Manuel «Tucho» Fernández. Ele é amplamente citado como o «ghostwriter» de Francis ´«Amoris Laetitiae». (Uma parte da declaração desconcertante aparentemente reverte 2.000 anos de prática católica em relação ao divórcio.) Fernández também escreveu «Cure-me com a sua boca: A arte de beijar». Como Andrew Guernsey escreveu: «Este livro, cheio de poesia erótica e imagens, e escrito por um padre, agora um arcebispo, que fez um voto de celibato, fornece insights desconcertantes sobre a mente bizarra de um dos teólogos mais poderosos do mundo».
  • Padre James Martin, SJ, uma cortesã dos meios de comunicação. Ele trabalha para obscurecer o ensino de 6.000 anos de idade sobre a atividade homossexual. Martin elogiou casais do mesmo sexo se beijando durante a missa. Martin incentivou os padres a se prepararem para a preparação para o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Ele pediu aos bispos que condenassem leigos católicos doutrinariamente fiéis pelo que escrevem online. Martin também distorceu o ensinamento do fundador de sua própria ordem, Ignatius of Loyola. O objetivo? Afirmar que Jesus «quer» que os sacerdotes se aposivem em face da perseguição. O papa Francisco fez de Martin um conselheiro especial em comunicações ao Vaticano.
O Tribunal do Cardeal Vermelho

Agora ao cardeal vermelho. Muitos chamaram Maradiaga de «vice-papa». Ele era amplamente visto como uma nova vassoura. Ele limparia a corrupção financeira de décadas em lugares como o banco do Vaticano. Certamente, sua retórica freqüentemente leninista se encaixa com alguém expulsando os cambistas. Em um discurso da Universidade de Dallas, Maradiaga citou o fanboy de Fidel Castro, Jean Ziegler.

Maradiaga denunciou a «ditadura mundial do capital financeiro». Os senhores do capital financeiro exercem sobre bilhões de seres humanos um poder de vida e morte. Através de suas estratégias de investimento, suas especulações no mercado de ações, suas alianças, eles decidem dia a dia quem tem o direito de viver neste planeta e que está condenado a morrer».

Falando por si mesmo, Maradiaga descartou sistemas como os da América. Ele condenou «ditaduras neoliberais que governam democracias». Ele advertiu: «Para mudar o sistema, seria necessário destruir o poder dos novos senhores feudais».

Mas Maradiaga parece ter mais em comum com os políticos marxistas do que pensávamos. Nos sistemas socialistas da Venezuela à Rússia soviética, os oligarcas podem soar como ascetas. Mas na verdade eles vivem como czares. O único lubrificante que pode tornar um sistema tão desumano e pseudo-racional quanto o socialismo funciona é a corrupção. Enquanto os socialistas buscam o poder absoluto, eles se corrompem absolutamente. Ou talvez um certo tipo de pessoa invejosa e implacável anseie pelo socialismo em primeiro lugar. Então a palma da sua mão está preparada para gordura.

O bálsamo de cura do dinheiro oculto está fluindo. A agência centrista Catholic News Agency citou a revista italiana L'Espresso. Pelo visto:

Maradiaga pode ter estado envolvido na má gestão dos fundos da Igreja e também pode ter aceitado centenas de milhares de dólares da Universidade Católica de Tegucigalpa.

O artigo dizia que Maradiaga está sendo acusada de investir mais de US $ 1,2 milhão em algumas empresas financeiras de Londres, incluindo a Leman Wealth Management. Algum desse dinheiro já desapareceu, disse.

O relatório de Casaretto foi baseado em relatos de mais de 50 testemunhas, incluindo membros da equipe diocesana e padres, disse L'Espresso.

Essa revista continuou cavando. Virou-se Martha Alegria Reichmann. Ela e o marido eram amigos de longa data do cardeal. Ela o acusa de roubar a ela e à família de suas economias. Como o Google traduz o texto italiano dessa peça, Reichmann disse sobre Maradiaga:

«Em 2012, ele fez com que eu e meu marido investíssemos muito dinheiro em um fundo de investimento em Londres. Dirigida por uma amiga muçulmana, Youssry Henien, que então desapareceu em nada com o nosso dinheiro.



«Percebemos que fomos enganados. Fizemos investigações e descobrimos que este financista já estava concluído no passado em situações semelhantes. Eu tentei entrar em contato com Maradiaga, mas foi negado por meses e meses. Fui à catedral de Tegucigalpa quando ele celebrou a missa e consegui trocar algumas palavras. Ele me disse que ele era uma pessoa ferida como nós, que ele também havia perdido dinheiro da diocese, mas me pediu discrição».

Seminaristas molestados

Depois, há Juan José Pineda Fasquelle. Maradiaga o escolheu para administrar sua arquidiocese em Honduras. Ele também é acusado de molestar seus próprios seminaristas. Os relatórios do National Catholic Register eminentemente dominantes:

De acordo com o primeiro testemunho do ex-seminarista ao Bispo Casaretto, o Bispo Pineda «tentou ter relações sexuais… sem minha autorização, durante o período em que eu estava em serviço com ele. Na noite ele chegou perto de mim e tocou minhas partes íntimas e no peito. Eu tentei pará-lo. …»

O segundo ex-seminarista arquidiocesano testemunhou que ele testemunhou em primeira mão uma relação imprópria entre o bispo Pineda e um terceiro seminarista, durante um período em que os três homens estavam realizando trabalho pastoral juntos.



Posteriormente, de acordo com o testemunho do segundo ex-seminarista, o bispo Pineda empreendeu uma série de ações punitivas contra ele que difamaram sua reputação e culminaram com sua expulsão do seminário arquidiocesano.

Um lote judaico

Estes alegados eventos ocorreram sob o nariz de Maradiaga. No entanto, o Cardeal negou que um escândalo de abuso sexual exista na igreja. Como Alan Dershowitz apontou, em 2002, Maradiaga descartou a epidemia de acobertamento de abuso sexual. Como? Como a invenção dos judeus na mídia. Eles supostamente atacaram a igreja por causa de sua defesa dos palestinos.

O Papa Francisco parece ter lançado uma nova Renascença no Vaticano. Tem toda a corrupção, arrogância, sodomia e mundanismo do original. Mas nada da arte.





sexta-feira, 20 de abril de 2018

Que se poderia esperar de um trotskistazinho, ou «trokista» (na forma popular)?


SHHHHH, FERREIRA FERNANDES É DIRECTOR DO DN

João Miguel Tavares, Público, 19 de Abril de 2018

Há pouco mais de dois anos, Ferreira Fernandes não sabia, nem queria, ser director do DN. O que mudou, entretanto, para passar a saber e a querer?

Ferreira Fernandes tomou posse como director do Diário de Notícias a 3 de Abril, numa das mais silenciosas mudanças de direcção da história da imprensa – nesse dia, o seu nome apareceu em primeiro lugar no cabeçalho do jornal, e pronto. Até hoje, Ferreira Fernandes não disse ao que vinha, não explicou o que queria, não dirigiu aos leitores um só «bom dia, sou o novo director». A única decisão visível que tomou a 3 de Abril foi acabar com os editoriais, uma novidade em Portugal entre os diários de referência, e provavelmente no mundo. É uma opção bizarra, mas com vantagens. Por exemplo, em Outubro do ano passado, durante semanas a fio, eu estranhei que o DN não fizesse um único editorial sobre a acusação da Operação Marquês. Agora já não será possível estranhar, porque não há editoriais.

Nos últimos quinze dias, aguardei pacientemente que Ferreira Fernandes fizesse prova de vida como director – mas apenas continuei a encontrar o cronista da última página. Dado não ser esse que me interessa, tomo a liberdade de perguntar pelo outro. É que, se o Ferreira Fernandes director do DN realmente existe – como o cabeçalho do jornal parece indicar –, então ele tem algumas explicações a dar, e eu gostava de as ouvir. Em Fevereiro de 2016, foram publicadas as primeiras notícias envolvendo o seu nome na Operação Marquês. Não se trata de nenhuma escuta que tenha sido feita ao próprio Ferreira Fernandes – convém deixar isto claro –, mas sim a José Sócrates e a Afonso Camões, numa época (ano de 2014) em que o estudante de Sciences Po tentava afanosamente influenciar a escolha do futuro director do DNNo entender de Sócrates, o nome certo para dirigir o Diário de Notícias era Ferreira Fernandes: «O homem da última página, com reputação e aceitação na redacção.» Por isso, combinou que Camões tudo faria para que «o nosso amigo lá fique». Na altura, não ficou.

A primeira jornalista a divulgar esta história foi Felícia Cabrita, no semanário Sol de 20 de Fevereiro de 2016. Aí recordava como Ferreira Fernandes tinha sido um dos grandes defensores de Sócrates, recuperando uma frase dos tempos do Freeport: «Sobre os factos não sei nada, só posso ser testemunha abonatória: ele é o melhor primeiro-ministro que já tive.» Ferreira Fernandes continuou a defender Sócrates já depois da prisão – até que um certo dia calou-se, e não mais se lhe ouviu um pio sobre o tema. Só que ficar calado não chega. Dois dias após a notícia do SolFerreira Fernandes escreveu uma crónica no DN intitulada «Desculpem, mas é tarde para me alistarem», que concluía assim: «Director do DN?! Todos os meus sabem: não saberia sê-lo. Logo, queiram ou não, eu não quero.» Há pouco mais de dois anos, Ferreira Fernandes não sabia, nem queria, ser director do DN. O que mudou, entretanto, para passar a saber e a querer?

Esta é a explicação que nos é devida. Se em 2014 Sócrates não conseguiu impor todos os nomes que desejava, hoje, com a entrada da misteriosa KNJ na Global Media, via Macau, o que existe é isto: Proença de Carvalho, ex-advogado de Sócrates, como chairman; Afonso Camões, o «general prussiano que não se amotina», como director do JNFerreira Fernandes, o favorito de Sócrates, como director do DN; e Paulo Rego, grande amigo de Camões e ex-director adjunto da Lusa, como vice-presidente do grupo, nomeado pelo accionista maioritário KNJ. Só falta reaparecer Luís Miguel Viana. Parafraseando Ricardo Salgado: ele há coincidências do diabo.





Palestra do cardeal Burke sobre os limites do poder papal

Cardinal Raymond Burke, Rome April 7, 2018

Diane Montagna, LifeSiteNews, 13 de Abril de 2018

Qual é a extensão do poder papal? Existem limites e, em caso afirmativo, como a violação desses limites é julgada e corrigida?

Estas e outras questões foram abordadas pelo cardeal Raymond Burke no último sábado, 7 de Abril, numa conferência em Roma intitulada «Igreja católica: para onde está indo?»

O simpósio da tarde, patrocinado pelos «Amigos da Comunidade cardeal Caffarra», foi convocado em homenagem ao recentemente falecido cardeal dubia, em meio à crescente preocupação de que o Papa Francisco esteja conduzindo a Igreja numa direcção nem sempre de acordo com a natureza e ensino da Igreja.

Com base na Tradição da Igreja, no Magistério e na legislação canônica, o cardeal Burke explicou que a plenitude do poder (plenitudo potestatis) do Romano Pontífice não significa que a autoridade de um papa seja «mágica, mas deriva da sua obediência ao Senhor».

O prefeito emérito da Signatura Apostólica do Vaticano também explicou que os papas devem salvaguardar e promover a unidade da Igreja, e que se um Pontífice Romano não agir em conformidade com a Revelação Divina, a Sagrada Escritura e Tradição, tais acções «devem ser rejeitadas pelos fiéis».

«Que nenhum ser mortal tenha a audácia de repreender um Papa por causa das suas falhas... a menos que ele seja chamado à tarefa por se ter desviado da fé», disse o cardeal Burke, citando o advogado canônico do século XII e o monge camaldulense Gratian.

No seu discurso, o cardeal Burke também destacou como os abusos da plenitude do poder do Papa poderiam ser corrigidos (ver texto abaixo), embora o tempo não lhe permitisse entrar em detalhes sobre como uma correcção formal poderia ser oferecida, disse ele.

Após a conferência do último sábado, LifeSiteNews publicou uma tradução do Inglês do cardeal Walter Brandmüller endereço em 1859 o ensaio de Beato John Henry Newman em consulta aos fiéis em matéria de fé, e o texto Inglês definitivo do bispo Athanasius Schneider conversa sobre «A Sé Apostólica, como a cátedra de verdade.»

Alguns leitores expressaram o desejo de ler o texto do cardeal Burke na íntegra. O cardeal gentilmente forneceu o original em italiano e aprovou a tradução em inglês que pode ser vista em:

https://www.lifesitenews.com/news/full-text-cardinal-burkes-address

Eis a tradução automática:


PLENITUDO POTESTATIS DO ROMANO PONTÍFICE
A SERVIÇO DA UNIDADE DA IGREJA
RAYMOND LEO CARDEAL BURKE

7 de Abril de 2018


Na memória do cartão. Joachim Meisner

Antes de entrar no coração do meu tema, neste contexto de lembrança grata e afetuosa do falecido cardeal Carlo Caffarra, e do ardente desejo de continuar sua obra de amor abnegado e total por Cristo e Seu Corpo Místico, a Igreja, gostaria para dizer algumas palavras para honrar a memória do cardeal Joachim Meisner. Desde o início do bom combate para defender e promover as verdades fundamentais sobre o casamento e a família, ele estava completamente unido ao Cardeal Caffarra, ao Cardeal Walter Brandmüller e a mim. Como verdadeiro pastor do rebanho do Senhor, ele considerou seu primeiro dever apresentar incansavelmente o ensinamento de Cristo na Igreja. Lembro-me de dois momentos, em particular, em sua batalha final para servir a Cristo e à Igreja.

Depois do discurso inaugural do Cardeal Walter Kasper durante o Consistório Extraordinário de fevereiro de 2014, quando saímos do Salão do Sínodo, o Cardeal Meisner aproximou-se de mim e expressou sua preocupação sobre a direção falsa em que o discurso teria conduzido a Igreja, se uma correção adequada e rápida não dado. Ele acrescentou: «Tudo isso terminará em um cisma.» Daquele momento em diante, ele fez todo o possível para defender a palavra de Cristo sobre o casamento.

A última vez que tive o prazer de ver o Cardeal Meisner foi em 3 de março do ano passado, quando visitei a Arquidiocese de Colônia para uma apresentação acadêmica da qual ele também participou. O Cardeal Meisner estava realmente feliz por poder me expressar pessoalmente todo o seu apoio ao trabalho realizado para obter uma justa resposta do Santo Padre à dubia suscitada pela Exortação pós-sinodal Amoris Laetitia. Enquanto ele estava claramente e profundamente preocupado com o estado atual da Igreja, ele não deixou de expressar toda a sua confiança no Senhor, que não deixará de sustentar o Seu Corpo Místico na verdade da fé.

Hoje, honrando a memória do grande Cardeal Carlo Caffarra, honremos também, como tenho a certeza que o Cardeal Caffarra gostaria que fizéssemos, a memória do Cardeal Joachim Meisner que, juntamente com o Cardeal Caffarra, nas palavras de São Paulo, combateu o bom combate da fé, terminou a carreira de sua missão episcopal pelo bem de inúmeros fiéis e, com fidelidade e generosidade, manteve a fé.[1] Requiescat no ritmo!

Introdução

Em uma das discussões abertas durante a sessão do Sínodo dos Bispos realizada em outubro de 2014, os Padres Sinodais estavam debatendo sobre a possibilidade de a Igreja permitir que aqueles que vivem em uniões matrimoniais irregulares recebam os Sacramentos da Penitência e da Sagrada Eucaristia. A certa altura, um dos cardeais, considerado um especialista em direito canônico, interveio com o que julgou ser uma solução definitiva para a dificuldade. Fazendo referência à dissolução dos casamentos em favor da fé, ele afirmou firmemente que nós não começamos a compreender a extensão do plenestado potestatis.do Romano Pontífice. A implicação era que a plenitude do poder, que é, por lei divina, inerente ao Ofício Petrino, poderia permitir ao Santo Padre agir em contradição com as palavras do próprio Senhor no capítulo 19 do Evangelho segundo São Mateus e a constante da Igreja. ensinando em fidelidade às mesmas palavras:

E eu digo a você: quem se divorciar de sua esposa, exceto por falta de castidade, e se casar com outra, comete adultério; e aquele que se casa com uma mulher divorciada comete adultério.[2]

A afirmação bastante chocante do Cardeal fez-me pensar novamente sobre algo que o próprio Santo Padre havia dito, no início da sessão de 2014 do Sínodo, a todos os Padres sinodais.

Ele disse aos Padres Sinodais: “É necessário dizer com parrhesia tudo o que se sente.[3] Ele então concluiu: “E faça isso com grande tranquilidade e paz, para que o Sínodo possa sempre se desdobrar com Petro et sub Petro , e a presença do Papa é uma garantia para todos e uma salvaguarda da fé. ”[4] A justaposição das palavras clássicas que descrevem o poder do Papa, de tal forma que todas as coisas na Igreja devem estar com Pedro e sob Pedro. e a presença do corpo do papa em uma reunião arrisca uma incompreensão da autoridade do papa que não é mágica, mas deriva de sua obediência a Nosso Senhor.

Esse pensamento mágico também se reflete na resposta dócil de alguns fiéis a qualquer coisa que o Romano Pontífice possa dizer, afirmando que, se o Santo Padre diz algo, então devemos aceitá-lo como ensinamento papal. De qualquer forma, parece bom refletir um pouco sobre a noção do poder inerente ao Ofício Petrino e, em particular, sobre a noção da plenitude do poder ( plenitudo potestatis ) do Romano Pontífice.

A plenitude do poder na tradição

A história da terminologia, plenitudo potestatis , para expressar a natureza da jurisdição do Romano Pontífice é sucintamente descrita em uma contribuição do Professor John A. Watt da Universidade de Hull para o Segundo Congresso Internacional de Direito Canônico Medieval, realizado em Boston. faculdade de agosto 12 th e 16 th de 1963.[5] o termo é usado pela primeira vez pelo Papa são Leão Magno em 446. em sua Carta 14, ele escreve sobre a autoridade do Bispo com estas palavras: “Assim, temos confiado à sua caridade, nossos deveres, de modo que você seja chamado para uma porção de solicitude, não para a plenitude do poder. ”[6] Em seu costumeiro latim cristalino, o Papa São Leão Magno exprime a relação do Pontífice Romano com os Bispos. Enquanto tanto o Romano Pontífice como os Bispos compartilham a solicitude pelo bem da Igreja universal, somente o Pontífice Romano exerce a plenitude do poder, a fim de que a unidade da Igreja universal seja efetivamente salvaguardada e promovida.

O termo plenitude de poder é encontrado extensivamente em tratados sobre autoridade papal, especialmente na literatura canônica. Gratian inclui o ditado do Papa São Leão, o Grande, junto com outros dois cânones entre seus decretos. Esses decretos enfatizavam “a primazia papal expressa na suprema jurisdição recursal e a reserva de todas as questões importantes”.[7] São Bernardo de Clairvaux contribuiu grandemente para a recepção do termo, de modo que “na época de Huguccio havia alcançado um alto nível de desenvolvimento. ”[8]

Papa Inocêncio III, fundamentando o termo teologicamente na realidade do escritório papal como o Vigário de Cristo na terra ( Vicarius Christi ), enfatizou a posição do Romano Pontífice “ supra ius ” e “como omnium iudex ordinarius .”[9Em relação o termo supra ius“Sobre a lei”, estava claro que o Romano Pontífice poderia dispensar da lei ou interpretar a lei somente com o propósito de servir o fim apropriado da lei, não subverter a lei. A descrição do exercício da plenitude do poder como a ação do próprio Cristo, através de seu vigário na terra, foi feita com “a qualificação de que o papa deve evitar decretar qualquer coisa pecaminosa ou que possa levar ao pecado ou à subversão da fé. ”[10]

Cardeal Henry de Susa, chamado Hostiensis, um canonista ilustre do 13 ºséculo, tratou amplamente a noção de plenitude do poder do Romano Pontífice, usando o termo em 71 contextos individuais em seus escritos: a Summa , o Aparelhoou lectura em o Gregoriana e o Aparato nos Extravagantes de Inocêncio IV. No Apêndice A de seu artigo, o professor Watt fornece uma lista representativa de textos legislativos do papa Inocêncio III, na qual ele usa o termo plenitude de poder, enquanto no Apêndice B de seu artigo, ele fornece uma lista de todos os 71 usos do termo. , plenitude de poder, pela Hostiensis.[11]

Hostiensis introduziu uma distinção de dois usos da plenitude do poder: o "poder ordinário" do papa, " potestas ordinaria " ou " ordinata " quando, em virtude de seu plenitudo officii ["plenitude de ofício"], ele agiu de acordo com a lei já estabelecido ”e“ seu poder absoluto ”, potências absolutas, quando, em virtude de sua plenitudo potestatis [“ plenitude de poder ”], ele passou ou transcendeu a lei existente”.[12] O adjetivo, absoluto, deve ser entendido contexto do Direito Romano e seu serviço para o desenvolvimento da disciplina canônica, não de acordo com a compreensão secular de Maquiavel ou de ditadores totalitários.

No direito romano, significava a dispensa de uma lei e o fornecimento de um defeito em uma lei. Nas palavras do professor Watt,

A dispensa era um uso do poder absoluto para pôr de lado a lei existente; O suppletio era um ato de poder absoluto para remediar defeitos que surgiram ou pela não observância da lei existente ou porque a lei existente era inadequada para atender às circunstâncias particulares. Em ambos os casos, o poder absoluto, o plenitudo potestatis , permanece revelado como um poder discricionário sobre a ordem jurídica estabelecida, uma prerrogativa de poder agir pelo bem comum fora dessa ordem, se, no julgamento do papa, as circunstâncias o tornassem necessário.[13]

Em outras palavras, a plenitude do poder não era entendida como uma autoridade sobre a própria constituição da Igreja ou seu Magistério, mas como uma necessidade para o governo da Igreja de acordo com sua constituição e Magistério. Hostiensis descreve-o como uma ferramenta necessária para que “os negócios da Cúria possam ser acelerados, os atrasos encurtados, os litígios reduzidos”, [14] enquanto, ao mesmo tempo, “ele considerou que era um poder a ser usado com grande cautela, como poder na frase paulina "para edificação e não para destruição", um poder discricionário para manter a constituição da Igreja, não para enfraquecê-la."[15]

É claro que a plenitude do poder é dada pelo próprio Cristo e não por alguma autoridade humana ou constituição popular, e que, portanto, só pode ser corretamente exercido em obediência a Cristo. O professor Watt observa:

Era axiomático que qualquer poder que tivesse sido dado por Cristo à Sua Igreja fosse com o propósito de cumprir o fim da sociedade que Ele havia fundado, não para frustrá-lo. Portanto, o poder de prerrogativa só poderia ser exercido dentro desses termos. Portanto, “absolutismo” ( solutus a legibus ) não era licença para governo arbitrário. Se é verdade que a vontade do príncipe fez a lei, no sentido de que não havia outra autoridade que pudesse fazê-lo; Também era verdade como um corolário que, onde isso ameaçaria os fundamentos da sociedade cujo bem a vontade existia de promover, não era lei. A Igreja era uma sociedade para salvar almas. Heresia e pecado impediram a salvação. Qualquer ato do papa no quantum homoque era herético ou pecaminoso em si mesmo ou poderia fomentar a heresia ou o pecado ameaçava as fundações da sociedade e, portanto, era nulo.[16]

Em outras palavras, a noção de plenitude de poder foi cuidadosamente qualificada.

Entendia-se que não permitia ao Romano Pontífice fazer certas coisas. Por exemplo, ele não poderia agir contra a Fé Apostólica. Além disso, por causa da boa ordem da Igreja, era um poder a ser usado com parcimônia e com a maior prudência. Watt observa:

Era impróprio partir da comuna do ius com demasiada frequência ou fazê-lo sine causa . O papa poderia fazê-lo, mas ele não deveria, pois o exercício do plenitudo potestatis era promover o utilitas ecclesie et salus animarum e não o interesse próprio dos indivíduos. O afastamento da comuna do ius deve, portanto, ser sempre um ato excepcional impulsionado por graves razões. Se o papa agia sine causa ou arbitrariamente, ele colocava sua salvação em perigo.[17]

Já que a noção de plenitude de poderes contém as limitações recém-descritas, como a violação das limitações é julgada e corrigida?

O que fazer se o Romano Pontífice assim agir? Hostiensis é claro que o Papa não está sujeito ao julgamento humano. “Ele deve ser advertido do erro de seus caminhos e até admoestado publicamente, mas ele não poderia ser levado a julgamento se persistisse em sua linha de conduta.”[18] Para Hostiensis, o Colégio de Cardeais, embora eles não o façam participação na plenitude do poder, "deve agir como uma checagem de fato contra o erro papal"[19].

Hostiensis reconheceu a necessidade do exercício da plenitude do poder em certos momentos, a fim de “retificar as imperfeições da ordem estabelecida ou frustrar aqueles que a estavam manipulando para fins privados”,[20] mas também “pensava como um general o papa deveria ser lento em afastar-se da lei comum e também achava que deveria seguir o conselho fraterno de seus conselheiros nomeados antes de fazê-lo ”.[21] Além da admoestação pública e da oração pela intervenção divina, ele não oferece um remédio para o abuso da plenitude do poder. Se um membro do fiel acredita na consciência que um exercício particular da plenitude do poder é pecaminoso e não pode trazer a sua consciência à paz no assunto, “o papa deve, como dever, ser desobedecido, e as conseqüências da desobediência sofreu na paciência cristã.”[22]

O tempo não me permitiu examinar a questão da correção do papa que abusa da plenitude do poder inerente à primazia da sé de Pedro. Como muitos saberão, há uma literatura abundante sobre a questão. Certamente o tratado, De Romano Pontifice de São Roberto Belarmino, e outros estudos canônicos clássicos devem ser examinados. É suficiente dizer que, como a história mostra, é possível que o Romano Pontífice, exercendo a plenitude do poder, possa cair em heresia ou no abandono de seu dever primário de salvaguardar e promover a unidade de fé, adoração e prática. Já que ele não está sujeito a um processo judicial, de acordo com o primeiro cânon do foro competente no Código de Direito Canônico (“Prima Sedes a nemine iudicatur”),[23] como está a questão a ser resolvida?

Uma breve resposta preliminar, baseada na lei natural, nos Evangelhos e na tradição canônica, indicaria um processo duplo: primeiro, a correção de um suposto erro ou abandono feito diretamente ao próprio Romano Pontífice; e, então, se ele não responder, uma declaração pública. De acordo com a lei natural, a razão correta exige que os sujeitos sejam governados de acordo com o estado de direito e, no caso contrário, prevê que recorram a ações que violem o estado de direito. O próprio Cristo ensina o caminho da correção fraterna que se aplica a todos os membros do Seu Corpo Místico.[24] Vemos o seu ensinamento incorporado na correção fraterna de São Pedro por São Paulo, quando São Pedro se disfarçou a respeito da liberdade dos cristãos de certas leis rituais da fé judaica.[25] Finalmente, a tradição canônica é resumida na norma do cân. 212 do Código de Direito Canônico de 1983. Enquanto a primeira seção do cânon em questão deixa claro que “os fiéis cristãos são obrigados a seguir com obediência cristã aquelas coisas que os pastores sagrados, na medida em que representam Cristo, declaram como mestres da fé ou estabelecem como governantes da Igreja.,[26] a terceira seção declara o direito eo dever dos fiéis “a se manifestar aos pastores sagrados a sua opinião sobre assuntos que dizem respeito ao bem da Igreja e para fazer conhecer o seu parecer com o resto dos fiéis, sem prejuízo à integridade da fé e da moral, com reverência aos seus pastores e atentos ao bem comum e à dignidade das pessoas ”.[27]

Para concluir este breve exame do desenvolvimento da noção de plenitude de poder desde o tempo do Papa São Leão, o Grande, deve ser observado que a contribuição dos canonistas medievais constitui um aprofundamento da compreensão da fé da Igreja em relação a Petrine. Primazia. Não pretendia, de modo algum, oferecer novidade doutrinária. O professor Watt resume o assunto assim:

Que o conceito de soberania eclesiástica expresso por esse termo em particular tenha sido formulado antes da publicação de Hostiensis, fica claro nos decretos de Inocêncio III e nos primeiros comentários sobre ele. O exame do histórico decretista do trabalho decretalista inicial deixa claro que nenhuma novidade de essência doutrinária estava envolvida aqui. Os decretais registram uma cristalização da terminologia; marca segura da maturidade da compreensão canonista da noção em questão. A Professio fidei, conhecida no Segundo Concílio de Lyon, era apenas uma aceitação mais solene de uma posição geralmente assumida muito antes, não menos importante entre os canonistas, expressada agora com a ajuda de um termo que os canonistas haviam tornado técnico. Na forma adotada em Lyon, plenitudo potestatis representava duas coisas, ambas correspondendo exatamente à sua história canônica: o princípio da primazia jurisdicional como tal, em todos os seus aspectos jurídicos, legislativos, administrativos e magisteriais, e mais restritamente, o principal que os prelados derivavam de sua jurisdição do papa.

Houve, no entanto, um terceiro nível de interpretação do termo: a plenitude do poder em sua forma jurídica mais pura. Este era o nível em que os canonistas estavam mais profundamente engajados, na medida em que se referia às aplicações práticas da autoridade suprema e considerava sua relação com o direito já existente e com um ordo iuris já estabelecido. Em suma, um problema da teoria jurídica desenvolvida, o conceito do poder do soberano sobre o direito e a ordem jurídica.

Progresso foi feito com algumas distinções simples sobre a natureza desse poder. Dizia-se que a jurisdição do papa era exercida de duas maneiras. Houve um exercício que tinha um lugar reconhecido e regular, estabelecido pela lei vigente e traduzido em prática pelos procedimentos existentes: seu poder ordinário. Havia ainda seu poder extraordinário, inerente a ele pessoalmente e sozinho, pelo qual - manifestação por excelência da autoridade soberana - a lei existente e os procedimentos estabelecidos podiam ser suspensos, revogados, clarificados, complementados. Este era o poder de prerrogativa do papa supra ius ; a plenitude do poder vista em sua forma jurídica mais característica como o direito de regular a maquinaria legal estabelecida. Solutus a legibus, o governante absoluto pode redispor qualquer um dos mecanismos da lei. Ao fazê-lo, a plenitude do poder foi implantada em sua forma mais prática.

Uma vez que o plenitudo officii se distinguiu do plenitudo potestatis e do potestas ordinaria do potestas absoluta (e com essas distinções Hostiensis parece ter feito sua contribuição mais individual ao estoque comum de idéias canonistas sobre o poder papal), seguiu logicamente que o circunstâncias em que este poder foi usado extra ordinarium cursum deve ser examinado.[28]

De fato, o entendimento cada vez mais profundo da plenitude do poder do Pontífice Romano durante o período medieval levou ao estudo em andamento da primazia de Pedro e do poder que o conectava. Qualquer discussão sobre o assunto seria incompleta sem levar em conta o trabalho essencial realizado pelos canonistas durante a Idade Média.

Plenitudo Potestatis no Magistério

O termo plenitude de poder foi usado na definição da primazia papal no Concílio Vaticano I. Capítulo Quatro da Constituição dogmática Pastor aeternus , sobre a Igreja de Cristo, promulgada em 18 de julho de 1870, lê-se:

Além disso, com a aprovação do Segundo Concílio de Lyon, os gregos professavam que “a Santa Igreja Romana possui a suprema e plena primazia e autoridade sobre a Igreja Católica Universal, que ela reconhece na verdade e humildade por ter recebido com plenitude de poder de o próprio Senhor no abençoado Pedro, o príncipe ou chefe dos apóstolos, de quem o pontífice romano é o sucessor. E, como ela está obrigada acima de tudo a defender a verdade da fé, do mesmo modo, se surgir alguma dúvida sobre a fé, elas devem ser decididas por seu julgamento.[29]

A definição dogmática deixa claro que a plenitude do poder do Romano Pontífice é necessária para que a fé apostólica seja salvaguardada e promovida na Igreja universal.

Mais tarde, no mesmo capítulo do Pastor aeternus , os Padres do Concílio declaram:

Pois o Espírito Santo não foi prometido aos sucessores de Pedro que eles poderiam revelar uma nova doutrina por sua revelação, mas sim que, com sua assistência, eles poderiam reverentemente guardar e explicar fielmente a revelação ou depósito de fé que foi transmitido através do apóstolos. De fato, foi esta doutrina apostólica que todos os Padres detiveram e os santos ortodoxos médicos reverenciaram e seguiram, compreendendo plenamente que esta Sé de São Pedro permanece sempre imaculada por qualquer erro, de acordo com a promessa divina de nosso Senhor e Salvador feita ao Príncipe dos seus discípulos: “Mas eu tenho orado por você para que a sua fé não desapareça; e quando voltares, fortalece os vossos irmãos ”( Lc 22,32).

Ora, esse carisma da verdade e da fé que nunca falhava foi conferido a Pedro e seus sucessores nessa cadeira, a fim de que pudessem desempenhar seu supremo cargo para a salvação de todos; que por eles todo o rebanho de Cristo poderia ser mantido longe da isca venenosa do erro e ser nutrido pela comida da doutrina celestial; que, na ocasião em que o cisma fosse removido, toda a Igreja poderia ser preservada como uma só e, apoiando-se em seu alicerce, poderia permanecer firme contra os portões do inferno.[30]

Seguindo a constante compreensão da Igreja ao longo dos séculos, os Padres conciliares ensinaram que o primado petrino e o corolário da plenitude de poder do Romano Pontífice, instituído por Cristo em Sua constituição da Igreja como Seu Corpo Místico, são dirigidos exclusivamente à salvação de almas pela salvaguarda e promoção da doutrina sólida e disciplina sã, transmitida em uma linha ininterrupta por meio da Tradição Apostólica.

O Capítulo 22 da Constituição dogmática Lumen Gentium do Concílio Ecumênico Vaticano II também usou o termo “plenitude de poder”. Descrevendo a relação do Colégio dos Bispos com o Romano Pontífice, os Padres do Concílio declaram:

Mas o colégio ou corpo de bispos não tem autoridade a menos que seja entendido em conjunto com o pontífice romano, o sucessor de Pedro como seu chefe. O poder de primazia do papa sobre todos, tanto os pastores quanto os fiéis, permanece inteiro e intacto. Em virtude de seu ofício, isto é, como vigário de Cristo e pastor de toda a Igreja, o pontífice romano tem poder total, supremo e universal sobre a Igreja. E ele está sempre livre para exercer esse poder. A ordem dos bispos, que sucede ao colégio dos apóstolos e dá continuidade a esse corpo apostólico, é também o tema do poder supremo e pleno sobre a Igreja universal, desde que entendamos este corpo junto com sua cabeça, o pontífice romano, e nunca sem essa cabeça. Este poder só pode ser exercido com o consentimento do pontífice romano.cf . Mt 16: 18-19] e fez dele pastor de todo o rebanho; é evidente, porém, que o poder de ligar e desligar, que foi dado a Pedro [ Mt 16:19], foi concedida também à escola de apóstolos, juntou-se com sua cabeça [ cf . Mt 18:18; 28: 16-20].[31]

O ofício distinto do Pontífice Romano com relação ao Colégio dos Bispos e, de fato, à Igreja universal é descrito no seguinte número da Lumen Gentium com estas palavras: “O pontífice romano, como sucessor de Pedro, é o princípio perpétuo e visível. e fundamento para a unidade da multiplicidade tanto dos bispos como dos fiéis.”[32]

Em uma parte anterior da mesma Constituição dogmática, os Padres do Concílio explicam:

Este sínodo sagrado, seguindo os passos do Primeiro Concílio do Vaticano, ensina e declara com ele que Jesus Cristo, o eterno pastor, instituiu a santa Igreja confiando aos apóstolos a sua missão como ele próprio fora enviado pelo Pai (cf. Jo 20:21) Ele quis que seus sucessores, os bispos, fossem os pastores de sua Igreja até o fim do mundo. A fim de que o episcopado em si pudesse, porém, ser único e indiviso, ele colocou Pedro à frente dos outros apóstolos, e nele ele estabeleceu uma fonte e fundação duradouras e visíveis da unidade tanto da fé como da comunhão.[33]

Após o simpósio intitulado “O Primado do Sucessor de Pedro”, organizado pela Congregação para a Doutrina da Fé a partir de 02 de dezembro nd a 4 th de 1996, a Congregação publicou algumas considerações sobre o assunto do ministério petrino e o poder conferido sobre ele.

Em relação à relação do Escritório Petrino com o cargo de Bispo, o documento declarou:

Todos os Bispos são sujeitos do cuidado de todas as Igrejas ( sollicitudo omnium Ecclesiarum) na medida em que são membros do Colégio Episcopal que sucede ao colégio dos Apóstolos, do qual a figura extraordinária de São Paulo era membro. Esta dimensão universal de sua episkopè (supervisão) é inseparável da dimensão particular relativa aos ofícios a eles confiados. No caso do Bispo de Roma - Vigário de Cristo da maneira adequada de Pedro como Chefe do Colégio dos Bispos -, o cuidado de todas as Igrejas adquire uma força particular porque é acompanhado pelo poder pleno e supremo na Igreja: um poder verdadeiramente episcopal, não apenas supremo, pleno e universal, mas também imediato, sobretudo de pastores e de outros fiéis. O ministério do Sucessor de Pedro, portanto, não é um serviço que atinge cada Igreja particular de fora, mas está inscrito no coração de toda Igreja particular, em que “a Igreja de Cristo está verdadeiramente presente e age”, e por isso traz em si a abertura para o ministério da unidade. Esta interioridade do ministério do Bispo de Roma para cada Igreja particular é também uma expressão da interioridade mútua entre a Igreja universal e a Igreja particular.[34]

O Escritório Petrino está, portanto, em sua essência e em seu exercício, diferente dos cargos de governo civil.

O documento da Congregação prossegue explicando como o Pontífice Romano desempenha seu ofício como serviço, isto é, em obediência a Cristo:

O Romano Pontífice é - como todos os fiéis - submetido à Palavra de Deus, à fé católica e é a garantia da obediência da Igreja e, nesse sentido, é o servo dos servos ( servus servorum ). Ele não decide de acordo com sua própria vontade, mas dá voz à vontade do Senhor que fala ao homem nas Escrituras vividas e interpretadas pela Tradição; em outros termos, o episkopè do Primaz tem os limites que fluem da lei divina e a inviolável constituição divina da Igreja contida no Apocalipse. O Sucessor de Pedro é a rocha que, contrariando a arbitrariedade e o conformismo, garante uma rigorosa fidelidade à Palavra de Deus: o caráter martirológico de sua Primazia decorre disso.[35]

A plenitude do poder do Romano Pontífice não pode ser adequadamente entendida e exercitada, exceto como obediência à graça de Cristo, o Cabeça e Pastor do rebanho, em todo tempo e lugar.

Legislação Canónica

A plenitude do poder do Romano Pontífice é expressa em cân. 218 do Código de Direito Canônico de 1917, que diz:

O Romano Pontífice, que é o sucessor de São Pedro na primazia, possui não apenas um primado de honra, mas o supremo e pleno poder de jurisdição em toda a Igreja em assuntos que pertencem à fé e à moral, bem como naqueles que pertencem disciplinar e o governo da Igreja em todo o mundo.

Este poder é verdadeiramente episcopal, ordinário e imediato sobre todos e cada uma das igrejas e sobre todos e cada um dos pastores e fiéis, e é independente de toda autoridade humana.[36]

O que é importante notar inicialmente é que a plenitude do poder é requerida pela primazia do Romano Pontífice, que não é meramente honorário, mas substancial, isto é, é requerido para o cumprimento da suprema, ordinária, plena e universal responsabilidade de salvaguardar a regra de fé ( regula fidei ) e o estado de direito ( regula iuris ).

Lata. 331 do Código de Direito Canônico de 1983 contém substancialmente a mesma legislação. Lê:

O bispo da Igreja Romana, em quem continua o ofício dado pelo Senhor unicamente a Pedro, o primeiro dos Apóstolos, e para ser transmitido aos seus sucessores, é a cabeça do colégio dos bispos, o Vigário de Cristo, e o pastor da Igreja universal na terra. Em virtude de seu ofício, ele possui um poder ordinário supremo, pleno, imediato e universal na Igreja, que ele é sempre capaz de exercer livremente.[37]

O poder do Romano Pontífice é entendido a partir dos adjetivos que o modificam.

É comum porque está conectado de maneira estável ao ofício de primazia do próprio Cristo. Faz parte do ius divinum . É uma disposição divina.[38] É suprema , que é a mais alta autoridade dentro da hierarquia e não subordinada a qualquer outro poder humano, enquanto permanece sempre subordinada a Cristo viva na Igreja através da Tradição guardada e transmitida pela regra de fé e pelo governo de lei. Está cheio na medida em que está equipado com todas as faculdades contidas no poder sagrado de ensinar, santificar e governar. Relaciona-se assim com o exercício do magistério infalível e com o autêntico magistério não infalível (cânon 749 § 1 e 752), com poder legislativo e judicial, e com a moderação da vida litúrgica e da adoração divina do universal. Igreja. É imediata , isto é, pode ser exercida sobre os fiéis e seus pastores onde e sem condição, e é universal , isto é, estende-se a toda a comunidade eclesial, a todos os fiéis, às Igrejas particulares e suas congregações. e a todos os assuntos sujeitos à jurisdição e responsabilidade da Igreja.

O que fica evidente na legislação canônica é que “o papa não exerce o poder ligado ao seu ofício quando age como pessoa privada ou como simples membro dos fiéis”.[39] Evidentemente, também, dado o caráter supremo da plenitude. de poder confiado ao Romano Pontífice, ele não tem um poder absoluto no sentido político contemporâneo e, portanto, é sustentado para ouvir a Cristo e a Seu Corpo Místico a Igreja. Nas palavras das considerações oferecidas pela Congregação para a Doutrina da Fé em 1998:

Escutar a voz das Igrejas é, de fato, uma característica própria do ministério da unidade, também conseqüência da unidade do Corpo episcopal e do sensus fidei de todo o povo de Deus; e essa ligação parece substancialmente dotada de maior força e certeza do que as instâncias jurídicas - uma hipótese mais inadmissível por falta de fundamento - a que o Romano Pontífice teria de responder. A responsabilidade final e vinculante do Romano Pontífice encontra a sua melhor garantia, por um lado, na sua inserção na Tradição e na comunhão fraterna e, por outro lado, na assistência do Espírito Santo que governa a Igreja.[40]

Como um canonista comenta a plenitude do poder do Papa:

Sem dúvida, o fim e a missão da Igreja indicam limites bem articulados que não são de fácil formulação jurídica. Mas, se desejássemos formulações jurídicas, poderíamos dizer que esses limites são aqueles que a lei divina, natural e positiva, estabelece.

Acima de tudo, o papa deve exercer seu poder em comunhão com toda a Igreja (c. 333, § 2). Portanto, esses limites estão em relação com a comunhão na fé, nos sacramentos e no governo eclesiástico (cân. 205). O Papa tem que respeitar o depósito da fé - ele detém a autoridade para expressar o Credo de uma maneira mais adequada, mas ele não pode agir contra a fé -, ele tem que respeitar todos e cada um dos Sacramentos - ele não pode suprimir nem adicionar qualquer coisa que contrarie a substância dos Sacramentos - e, finalmente, ele deve respeitar o governo eclesial da instituição divina (ele não pode prescindir do episcopado e tem que compartilhar com o Colégio dos Bispos o exercício do poder supremo e pleno) .[41]

Conclusão

Espero que estas reflexões, que têm caráter inicial e requeiram muito mais elaboração, ajudem a compreender a necessidade e a sutileza da plenitude do poder do Pontífice Romano para a salvaguarda e promoção do bem da Igreja universal. Segundo a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição, o Sucessor de São Pedro tem poder universal, ordinário e imediato sobre todos os fiéis. Ele é o supremo juiz dos fiéis, sobre quem não há maior autoridade humana, nem mesmo um concílio ecumênico. Ao papa pertence o poder e a autoridade para definir doutrinas e condenar erros, para fazer e revogar leis, para agir como juiz em todos os assuntos de fé e moral, para decretar e infligir punição, nomear e, se necessário, remover pastores. Porque esse poder é do próprio Deus, é limitada como tal pela lei natural e divina, que são expressões da verdade eterna e imutável e da bondade que vem de Deus, são completamente reveladas em Cristo e foram transmitidas na Igreja através do tempo. Portanto, qualquer expressão de doutrina ou lei ou prática que não esteja em conformidade com a Revelação Divina, contida na Sagrada Escritura e na Tradição da Igreja, não pode ser um autêntico exercício do ministério apostólico ou petrino e deve ser rejeitada pelos fiéis. Como São Paulo declarou: “Há alguns que incomodam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas se nós, ou um anjo do céu, vos pregarmos um evangelho contrário ao que lhes pregamos, seja anátema ”. que são expressões da verdade eterna e imutável e bondade que vem de Deus, são completamente reveladas em Cristo, e foram entregues na Igreja através do tempo. Portanto, qualquer expressão de doutrina ou lei ou prática que não esteja em conformidade com a Revelação Divina, contida na Sagrada Escritura e na Tradição da Igreja, não pode ser um autêntico exercício do ministério apostólico ou petrino e deve ser rejeitada pelos fiéis. Como São Paulo declarou: 

“Há alguns que incomodam e querem perverter o evangelho de Cristo. Mas se nós, ou um anjo do céu, vos pregarmos um evangelho contrário ao que lhes pregamos, seja anátema ”.[42]

Como devotos católicos e servos da disciplina da Igreja, devemos em todas as coisas ensinar e defender a plenitude do poder com o qual Cristo dotou o seu vigário na terra. Ao mesmo tempo, devemos ensinar e defender esse poder dentro do ensino e defesa da Igreja como o Corpo Místico de Cristo, como um corpo orgânico de origem divina e vida divina. Eu concluo com as palavras de Gratian em seus Decretals:

Que nenhum ser mortal tenha a audácia de repreender um Papa por causa de suas faltas, pois aquele cujo dever é julgar todos os outros homens não pode ser julgado por ninguém, a menos que ele deva ser chamado à tarefa por ter se desviado da fé.[43]

Raymond Leo Cardeal BURKE


[1] Cf. 2 Tm 4, 7.

[2] Mt 19, 9.

[3] “Saluto del Santo Padre Francesco ai Padri Sinodali, 6 de outubro de 2014”, La famiglia è il futuro. Tutti i documenti del Sinodo straordinario 2014 , ed. Antonio Spadaro (Milano: Àncora Editrice, 2014), p. 118. Tradução em inglês: Francis PP. II: “O convite do Papa Francisco aos Padres sinodais na abertura da Congregação Geral: com honestidade e humildade”, L'Osservatore Romano , edição semanal em inglês, 10 de outubro de 2014, p. 6

[4] Ibid., P. 118. Tradução em inglês: Ibid., P. 6

[5] Cf. JA Watt, "O uso do termo 'Plenitudo Potestatis' por Hostiensis", em Stephen Ryan Joseph Kuttner, org., Proceedings of the II Congresso Internacional de Direito Canônico Medieval , Boston College, 12-16 de agosto de 1963 (Città del Vaticano: S. Congregatio de Seminariis et Studiorum Universitatibus, 1965), pp. 161-187. [Watt].

[6] “Vícios nostras ita tuae credidimus charitati, ut in partem sis vocatus sollicitudinis, non in plenitudinem potestatis.” [Ep. 14, PL 54.671], citado em Watt, p. 161

[7] Watt, p. 164

[8] Watt, p. 164

[9] Watt, p. 165.

[10] Watt, p. 166.

[11] Watt, pp. 175-187.

[12] Watt, p. 167.

[13] Watt, pp. 167-168.

[14] Watt, p. 168

[15] Watt, p. 168. Cf. 2 Cor 13, 10.

[16] Watt, p. 173

[17] Watt, p. 168

[18] Watt, p. 169

[19] Watt, p. 169

[20] Watt, p. 174.

[21] Watt, p. 174.

[22] Watt, p. 173

[23] Cf. posso. 1404

[24] Cf. Mt 18,15-17.

[25] Cf. Gl 2, 11-21.

[26] “Quae sacri Pastores, utpote Christum repraesentantes, tamquam fidei magistri declarant aut tamquam Ecclesiae rectos estatuunt, christifideles,… christiana oboedientia prosequi tenentur.” Can. 212, § 1. Tradução em inglês: Canon Law Society of America.

[27] “... sententiam suam de seu quae ad bonum Ecclesiae pertinente sacris Pastoribus manifesto eamque, salva fidei morumque integritate ac reverentia erga Pastores, attentisque communi utilitate et personarum dignitate, ceteris christifidelibus notam faciant.” Can. 212, § 3. Tradução em inglês: Canon Law Society of America.

[28] Watt, pp. 172-173.

[29] «Aprovado vero Lugdunensi Concilio secondo Graeci professi sunt:« Sanctam Romanam Ecclesiam summum et plenum primatum et principatum super universam Ecclesiam catholicam obtinere, quem se ab ipso Domino in beato Petro Apostolorum principe sive vertice, cuius Romanus Pontifex est sucessor, cum potestatis verificador de recepção de plenitude e reconhecimento de humilíbrio; e sicut prae ceteris tenetur fidei veritatem defendere, sic et, s quae de fide subortae fuerint quaestiones, suo debent iudicio definiri '. ”Heinrich Denzinger, compêndio de credos, definições e declarações sobre assuntos de fé e moral, ed. Peter Hünermann com Helmut Hoping, edição em inglês ed. Robert Fastiggi e Anne Englund Nash, 43 rd ed. (San Francisco: Ignatius Press, 2012), p. 614, n. 3067. [Denzinger].

[30] Denzinger, p. 615, ns. 3070-3071.

[31] Collegium autem seu corpus Episcoporum auctoritatem non habet, nisi simul cum Pontifice Romano, successore Petri, ut capite eius intellegatur, huiusque integer manente potestate Primatus in omnes sive Pastores sive fideles. Romanus Enim Pontifex habet em Ecclesiam, vi muneris sui, Vicarii scilicet Christi e totius Ecclesiae Pastoris, plenam, supremam et universalem potestatem, quam sempre libere exercere valet. Ordo autem Episcopmé, qui collegio Apostolorum in magisterio et regimine pastorali succedit, immo in quo corpus apostolicum continuo perseverato, una cum Capite suo Romano Pontifice, et numquam sine hoc Capite subiecutm quoque supremae ac Plasma potestatis in universam Ecclesiam exsistit, quae quidem potestas nonnisi consentiente Pontifice Romano Uso Potest. Dominus unum Simonem ut petram e cavigerum Ecclesiae posuit [cf . Mt 16: 18-19], eumque Pastorem totius sui gregis constituit [ cf . Io 21: 15-19]; illud autem ligandi ac solvendi munus, quod Petro datum est [ Mt 16:19], collegio quoque Apostolorum, suo Capiti coniuncto, tributum esse constat [ Mt 18:18; 28: 16-20]. ”Denzinger, pp. 880-881, n. 4146

[32] “Romanus Pontifex, o sucessor ac Petri, est unitatis, tum Episcoporum tum fidelium multitudinis, perpetuum ac visibile principium et fundamentum.” Denzinger, p. 881, no. 23

[33] LG, não. 18

[34] “89. O Primado do Sucessor de Pietro Mistero della Chiesa ”, Congregação para a Dotação da Fé, Documenti (1966-2013) (Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2017), pp. 480-481, n. 6. [CDF];
Communicationes 30 (1998), 210-211, n. 6

[35] CDF, p. 481, n. 7. Communicationes 30 (1998), 212, n. 7

[36] “Pode. 218. - § 1. Romanus Pontifex, Beati Petri em sucessor primata, habet non solum primatum honoris, sed supremam et plenam potestatem iurisdictionis in universam Ecclesiam tum in rebus quae ad fidem et mores, tum in iis quae ad disciplinam et regimen Ecclesiae per totum orbem diffusae pertinente.

§ 2. Haec potestas est vere episcopalis, ordinaria e tum imediata em omnes et singulas ecclesias, tum em omnes et singulos pastores e fidelis a quavis auctoritate independens. ”Tradução em inglês: John A. Abbo e Jerome D. Hannan, The Sacred Canons : Uma Apresentação Concisa das Normas Disciplinares Atuais da Igreja(St. Louis, MO: B. Herder Book Co., 1952), Volume 1, p. 281

[37] “Can. 331 Ecclesiae Romanae Episcopus, em quo permanet munus a Domino singulariter Petro, primo Apostolorum, concessum e successoribus eius transmittendum, Collegii Episcoporum caput, Vicarius Christi atque universae Eclesiae his in terris Pastor; Quem é o muner sui suprema, plena, imediata e universal em Ecclesia gaudet ordinaria potestate, sempre libere exercere valet. ”Tradução em inglês: Canon Law Society of America, Código de Direito Canônico: Tradução Latim-Inglês , Nova Tradução em Inglês, Washington, DC: Canon Law Society of America, 1998. [A partir de agora, CLSA ].

[38] Cf. cann. 131 § 1 e 145 §; e Nota Explicativa Praevia de Lumen Gentium .

[39] “… o Papa não exerce essa competência e é um oficiante que cuida de agir como pessoa simples.” Eduardo Molano, “Potestad del Romano Pontifice”, Diccionario General de Derecho Canónico , vol. VI (Cizur Menor [Navarra]: Editorial Aranzadi, SA, 2012), p. 304. Tradução em inglês por autor.

[40] CDF, p. 483, no. 10. Comunicações, 213.

[41] Molano, p. 306

[42] Gál 1, 8.

[43] “Huius culpas istic redarguere presumit mortium nullus, quia cunctos ipse iudicaturis um nemine est iudicandus, nisi deprehendatur devius; pro cuius perpetuo statu uniuersitas fidelium tanto instantius orat, quanto suam salutem post Deum ex illius incolumitate animaduertunt propensius pendere ”. Decretum Magistri Gratiani. Concordia Discordantium Canonum, 1a, dist. 40, c. 6, Si papa; Item ex gestis Bonifacii Martyris. Gratian, Decretals , 1a, dist. 40, c. 6, Si papa ; ex Gestis Bonifacii martyris.